Ciclistas: tem espaço pra todo mundo

| 2 Comentários

Eu estou entre as centenas de pessoas que usam a Avenida Olívia Flores para praticar atividade física. No meu caso, corro naquela avenida. Na verdade, às vezes acho que sou um perigo público: além de não ter a melhor visão do mundo, teimo em correr onde acham que não devo.

Lembro-me que, ao começar a correr, Herzem Gusmão me dizia: “Meu filho, não corra no asfalto”. Depois o conselho passou a vir de José Raimundo, prefeito à época: “lugar de correr é aqui”, apontando para a calçada. Eu brincava com a situação, dizendo pra todo mundo que o prefeito cuidava de tudo na cidade, até do lugar onde a gente corria! Era quase um xerife!

Enfim, fui ignorando, de forma meio avergonhada, os conselhos. Depois a vergonha passou, e passei a assumir: corro é no asfalto mesmo. E, às vezes, corro na ciclovia, que veio depois, já tendo completado mais de 1 ano e meio. No que diz respeito à minha pessoa, aquela foi a obra municipal que mais impactou a minha rotina diária: agora tenho onde correr com espaço.

Mas não deixo de escutar muxoxos: “lugar de correr é na calçada!”, “aqui é pra bicicleta”, “um carro lhe pega”, etc.

Infelizmente, a quantidade de corredores não é tão grande quanto a dos ciclistas ou dos pedestres e, talvez por isso, não percebam alguns dados importantes:

– o impacto nas articulações ocorrido durante a corrida é, no asfalto, 3 vezes menor do que no concreto/cimento;

Para nós, corredores, correr no cimento é fora de questão. Temos, assim, duas opções: ou correr na pista ou na ciclovia. Ocorre que, dependendo do horário, correr disputando espaço com os carros é altamente perigoso. Quando saio de casa para correr, ainda é muito cedo, os carros trafegando são poucos. Quando volto, às vezes tenho que usar a ciclovia.

Os ciclistas, na verdade, poderiam ser um pouquinho mais tolerantes: a ciclovia tem dois sentidos de tráfego. Basta usá-los adequadamente, que dá pra todo mundo. Nem os corredores devem andar emparalhados, bloqueando o tráfego, nem os ciclistas deveriam trafegar usando os dois sentidos da ciclovia, principalmente quando o fazem em alta velocidade. Corredores e ciclistas podem usar o mesmo espaço com segurança para todos, contanto que todos tenham bom-senso, sigam regras de civilidade e não façam mau uso do equipamento.

E, o mais importante: que as pessoas continuem a se interessar cada vez mais pela atividade esportiva sadia. Nada mais bacana do que ver os amigos andarem naquela avenida, anos a fio, sempre no mesmo horário. Na Avenida Olívia Flores, não há partidos políticos, profissões ou classes sociais: são todos velhos amigos começando o dia juntos, caminhando, correndo ou pedalando.

Autor: oculos

the guy who writes here... :D

2 Comments

  1. Permita-me discordar.

    Primeiro, vamos por partes. Há cidades e cidades. No nosso caso, poderia até concordar com seu ponto de vista, dada a pouca utilização da ciclovia, comparando relativamente, claro. Se tivéssemos um bom número de ciclistas e se todos eles utilizassem a ciclovia, seria muito perigoso se correr neste espaço.

    Aqui em Conquista, ainda temos realmente um número relativamente pequeno de corredores e um número também relativamente pequeno de ciclistas, especialmente aqueles mais velozes. Se este fosse o caso, daí entra minha observação, e sua corridinha no espaço compartilhado seria muito perigosa. Ainda que haja dois sentidos na ciclovia e ainda que o ciclista queira dar uma ‘ultrapassada’ nos corredores ali, se tivéssemos um número razoável de ciclistas, o transtorno seria evidente.

    Exemplo: um grupo de ciclistas está correndo em um sentindo, enquanto outro se aproxima no sentido contrário. O primeiro da fila teria que frear logo atrás do corredor e aguardar o comboio de sentido contrário passar. Ou pior, se não vier um outro grupo no sentido contrário, os ciclistas, que geralmente andam em velocidade, em linha e de cabeças baixas, poderiam atropelar o corredor, mesmo que o primeiro da fila desviasse, sobrando a reação muito rápida para quem vem de trás.

    Acho que o problema do impacto nas articulações é caso de reclamar com que planejou a avenida, não levando este ponto em consideração. Fez a avenida para andarilhos e ciclistas, mas não para corredores. Ou então é caso de trocar de calçado, não? (não entendo muito deste aspecto).

    O que tenho visto na avenida é gente correndo na ciclovia, gente correndo na calçada e gente correndo na pista. Ciclista pedalando na ciclovia e ciclista pedalando na pista. Até mesmo vejo gente andando na ciclovia. Não havendo acidentes, ninguém vai protestar mais veementemente. Mas, quando o trânsito de ciclistas/corredores/pedestres aumentar…

  2. Marcelo,

    Continuo discordando, pelas razões já apresentadas. Apenas uma nova observação: ciclovia não significa que ciclistas devam andar em alta velocidade, a ponto de que significa que uma freada venha a importar em acidente de quem vem de trás. A velocidade na ciclovia deve ser lenta.É muito melhor correr na ciclovia do que no asfalto.

Deixe um comentário...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: