O gigante acordou… e agora?

| 2 Comentários

O Brasil parece viver uma catarse coletiva. Acordamos. É bom que seja assim. É bom que as pessoas resolvam fazer os governantes sentirem medo. Acho que ninguém perde por isso.

Mas e agora? Nem vou me atrever a dar palpite no que causou isso e pra onde vai o movimento, quando nem mesmo grandes e experientes cientistas políticos conseguiram ainda entender isso tudo.

Eu penso da seguinte forma: a fase de “não temos uma causa específica”, ou “não nos faltam causas” vai acabar. Não me entenda mal: eu concordo com essas frases, e concordo com a saída às ruas, com a mobilização social. Tudo é melhor que a apatia.

Mas isso não servirá a médio-longo prazo. Isso tem o risco de despolitizar, de não criar uma consciência coletiva responsável. E pode ter resultados desastrosos.

Por exemplo: vi que uma das propostas veiculadas supostamente pelo Annonymous pedia a punição da corrupção como crime hediondo. A proposta, bem-intencionada, não resiste a pequenas indagações: qual corrupção? Passiva? Ativa? Peculato? Falsidade ideológica? Prevaricação? Enfim, será que um deputado que desvia milhões deve ter a mesma punição de um servidor público de um cartório que cobra uns R$10,00 para agilizar um documento rapidinho? Claro, as duas condutas são reprováveis, mas igualá-las abriria uma porta para virarmos um desses países fundamentalistas do Oriente Médio. Daí pra cortar a mão de ladrão em praça pública é um pulo.

Vi que as pessoas concordam muito nas causas genéricas, mas começam a discordar quando são mais pragmáticas. Por exemplo: o projeto conhecido por “cura gay”. Basta ir aos detalhes que as pessoas se dividem. É verdade que o movimento começou e ganhou força com uma causa específica e clara: redução em 20 centavos na passagem do ônibus, o que contradiz o que eu acabo de dizer. Mas convenhamos que é difícil ser contra redução de tarifa, não?

Portanto, penso que é preciso ter causas, sim, mas causas responsáveis.

Além de causas, penso que a única forma de manter a mobilização passa por duas pequenas mudanças de atitude:

A primeira, é começar a fazer parte da discussão política. Filiar-se a um partido político é uma forma de se manter engajado, de aprender a construção de idéias e a defender pontos de vistas. Mas é claro que tem pessoas que preferem engajar-se fora das instituições (principalmente os mais à esquerda). Portanto, que o engajamento também se dê nos movimentos sociais. É importante ver que o Movimento do Passe Livre conquistou respeito por seu discurso coerente, sério e depurado com anos de luta.

É claro que esse aprendizado traz o risco da acomodação ao status quo, que acredito que foi o que aconteceu ao PT, tanto tempo no poder. Mas é necessário conhecer política pública, modelos de governança, e, por que não, pontos de vista ideológicos.

O segundo, mais transcedental, me foi apontado por dois amigos no Facebook (você, carioca sangue-bom, e você, pernambucana arretada) durante as discussões sobre o protesto: a mudança de postura diante das más-práticas. A mudança de si mesmo. O abandono do jeitinho. A opção pela conduta ética diária. A visão clara de que as coisas devem funcionar bem pra todos, e não como resultado de um jeitinho individualista (propinas, agrados, “quem-indica”, etc.).

Que nossa catarse continue, mas que as mudanças que estamos propondo venham pra ficar, e que nos orgulhemos não de um dia termos acordado, mas sim de que passamos a construir nosso destino nós mesmos, com nossa participação ativa no cenário político.

UPDATE: sempre bom ler o blog do Dr. Ruy Medeiros (a quem não sou digno de chamar de tio… 😉 ). Ele fez uma advertência importante nos últimos parágrafos de um post em seu blog.

2 Comments

  1. Francis,
    Quando dizemos que o Brasil acordou ou que as manifestações podem correr o risco de se diluir, tamanha a quantidade de demandas que parecem emergir nos últimos dias, estamos falando, antes de mais nada, de percepções.
    E percepções são construídas por nós a partir de dados, dados esses mediados por agentes que se colocam entre nós e a realidade. (E não poderia ser de outro modo dada a complexidade da realidade, se quisermos montar um quadro amplo dela, e nela interferir).
    Pergunto-me até que ponto esses agentes – normalmente, os tradicionais veículos de informação a que recorremos – não estão interpretando excessivamente a realidade, interferindo talvez um pouco – ou muito – além do que deviam ao nos apresentar um certo diagnóstico provisório dessa realidade.
    Não deixe de assistir a ótima entrevista dada por dois integrantes do movimento Passe Livre, o grande catalisador do está acontecendo nos últimos dias no nosso país.
    Quero ressaltar, sobretudo, a afirmação dos entrevistados de o que se vê hoje não é fruto de um fenômeno súbito, mas de um trabalho incansável feito por eles, ao longo de quase uma década, e sobre o qual só nos damos conta hoje – isso se não nos contentarmos apenas com a interpretação dos fatos feita pelos tais agentes tradicionais da mídia.
    O link para a primeira parte da entrevista é este: http://www.youtube.com/watch?v=BYASRwXiQ4g
    Saudações tropicais

  2. Meu caro Gustavo,

    Muito bom ler seu comentário!
    Sim, me inspirei justamente no MPL (e na boa entrevista do Roda Viva) ao escrever o texto. O diálogo e a luta constante são essenciais para que o sentido de causa não se perca nem se confunda com uma efeméride qualquer. E, de fato: existe muita mobilização social no Brasil, mas talvez o barulho dessa catarse, ou melhor, a catarse visível nos centros das cidades, causou a surpresa, o que não quer dizer que essa luta não se faça sentir em outros espaços que não aqueles alcançados pela mídia.
    Grande abraço!

Deixe um comentário...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: